domingo, 17 de julho de 2011

A POMBA BRANCA DO ROSSIO

                                           



    “Que é morrer senão erguer-se nu ao vento e fundir-se com o sol? Que é deixar de respirar senão libertar o corpo das incessantes marés para poder elevar-se e expandir-se na busca de Deus sem nenhum limite?” - Khalil Gibran, in “O Profeta”, pag. 54.


              Carregava consigo o peso da "maior dor do mundo". Era uma mulher cuja beleza não passava despercebida em parte alguma, mas os seus olhos cor de violeta que, nos tempos da Faculdade, a tinham celebrizado, valendo-lhe o cognome de “Elizabeth Taylor”, tinham perdido todo o brilho. Também a luminosidade que sempre irradiava do seu sorriso, tinha, há muito, deixado de ser uma realidade viva.

               Lera “A filha-sombra” de P.F.Thomése, e revia-se no estado de espírito do autor que tinha perdido a filha: “Tudo está congelado, tão frio e quieto torna-se. Tão frio que afasta todo o sentir. Tão quieto que a respiração congela nos lábios como um ponto de interrogação. Não acontece mais nada, “o momento que irrompe” está para sempre congelado.”

               O filho dela tinha 3 anos de idade, olhos cor de violeta e caracois loiros a emoldurar as bochechas rosadas de querubim. Uma criatura celestial. Talvez por pertencer ao Céu e não à Terra, Deus tinha-o chamado a si, à hora do crepúsculo, num dia de Setembro.

                Ela transformara-se, então, num ser afogado em tristeza.

                Não aguentando a angústia da perda do filho, fôra viver para Lisboa, abandonando Viseu que tantas recordações lhe trazia, pois era aqui que o seu menino despontava em cada esquina e que as suas gargalhadas eram audíveis em cada canto.

                Tinham fluído três longos anos de intensas sessões de psicoterapia, sem que, alguma vez, tivesse conseguido voltar à “Cidade Jardim” que vira nascer o seu menino.

                 Tinha gravada na memória a “Praça da República” de Viseu, vulgarmente designada por “Rossio”, onde tantas vezes tinha estado com seu filho pela mão, a dar milho aos pombos, enquanto ambos se abraçavam numa perfeita fusão de almas e ela lhe dava beijos que depositavam na face rechonchuda dele, todo o amor que enchia o seu coração de mãe.

                  Depois, atravessavam a rua e seguiam pelo passeio que acompanha o mural de azulejos de temática regionalista, que se situa a nascente do “Rossio” e se estende até ao “Jardim das Mães”. Neste jardim, por entre canteiros de buxos, rosas e lírios, seu filho detinha-se a contemplar o “Monumento às Mães” que se ergue no meio do jardim, com o menino a dormir no colo de sua mãe, “o melhor sono da nossa vida em que na nossa alma docemente penetra Deus”, como se lê na inscrição feita na base no monumento. O mesmo sono que o seu menino tantas vezes dormira no seu colo…

                  Agora tinha finalmente arranjado coragem. Voltara a Viseu em homenagem ao filho da terra, porque tinha interiorizado que, ao fugir do lugar onde ambos tinham sido felizes, estava a cristalizar o espírito dele nesse lugar, impedindo-o de usufruir da paz e liberdade eternas de que Deus o considerara merecedor.

                   No “Rossio” tudo permanecia igual a si próprio. Lá estavam o majestático e bem conservado edifício dos Paços do Concelho com o seu pórtico com cantaria, as tílias ancestrais a desafiar o céu, os bancos de jardim com tantas histórias para contar, e os pombos nos beirais, nos peitoris das janelas e nas varandas do edifício.

                    Recordava-se particularmente de uma pomba branca que sempre tinha vindo para junto deles, permanecendo a seus pés e comendo suavemente os grãos de milho nas mãos deles, fitando-os com infinita ternura.

                    Desta feita sozinha, acorreu a dar milho aos pombos, e verificou que a pomba branca veio posicionar-se a seus pés, com a ternura e a graciosidade de outros tempos. Poisara agora gentilmente no ombro dela, fitando-a com uma profunda tristeza no olhar. De mansinho, arrulhou com compaixão ao ouvido dela, afagando a sua alma enlutada de mãe. De seguida, levantou voo e, em jeito de apelo, não deixando nunca de a olhar com enorme  doçura, voou até ao “Jardim das Mães”, onde poisou na mão do menino que dormia no colo de sua mãe. Ela seguiu a pomba branca e entrou no “Jardim das Mães”. A pomba veio pousar de novo no ombro dela. Sentiu-se subitamente acariciada por uma enorme vaga de paz que a mergulhou numa neblina perfumada de tranquilidade espiritual.

                  Foi então que do firmamento se desprendeu uma vigorosa chuva de cometas e uma melodia cantada por pequenos anjos.

                   Compreendeu que o seu menino podia finalmente dormir o sono celestial e viver a paz eterna, porque ela tinha desapertado as amarras que o eternizavam num só lugar. Seu filho era agora um espírito com luz própria, livre de voar para onde as asas de Deus o levassem.



Texto e fotografias ("Jardim das Mães" - "Monumento às Mães", em Viseu) da Isabel Maria.

45 comentários:

  1. Dormir o sono celestial, perfeito...
    Beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  2. Minha querida amiga Isabel
    Um texto de uma dor pungente, embora algo apaziguada pela fé e pelo tempo...
    A dor de perder um filho, mesmo em pensamento mais remoto é algo inimaginável e contra-natura. Essa mulher, protagonista do seu texto e de tantas histórias comuns, soube encontrar alguma paz...corajosa!
    Amiga, um texto que me tocou fundo e confesso que fiquei sem grandes palavras. Vivenciei uma situação destas ao lado de uma amiga e ainda hoje dá-me um nó quando a ouço falar do filho...ele ainda está bem vivo entre nós e acho que assim continuará.
    Resta-me desejar que a todas as mães que passam por isto, lhes surja uma pomba branca que as faça compreender que o filho jamais foi perdido, pois todos os momentos vividos em comum, jamais deixarão de existir...assim como o filho que dos seus ventres saíu.
    Um abraço enorme do tamanho deste sentimento que é ser mãe

    ResponderEliminar
  3. Querida Lisete:
    Sei como foi penoso para si ler este registo.
    As minhas orações passaram a incluir, desde que tive o primeiro contacto consigo, um outro anjo: Alessandra Andreolla Feijó. Porque os anjos, apesar de caminharem de mão dada com Deus, também precisam que este torne suaves os escolhos do seu caminho.
    Um grande, grande, grande abraço para si.

    ResponderEliminar
  4. Como sempre nas suas histórias sinto a transmissão de uma mensagem de paz! faz-me bem lê-la...
    Bjs

    ResponderEliminar
  5. Perder para a morte um ente querido é de uma dor pungente. Encontrar uma forma de suavizar isso, é digno de aplausos.
    Acho as maes sao fortes tanto para ter um filho, como para perdê-lo. E nesse texto você mostrou isso.

    Grande abraco e uma ótima semana, Isabel!

    ResponderEliminar
  6. Não vi essa estátua tão bela... e, no entanto, devo ter andado por tão perto!

    Hino a uma mãe despedaçada, este seu texto intenso :(

    Um beijo

    ResponderEliminar
  7. Muito comovente. Num jardim de paz.

    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Como mãe, fiquei presa ao seu texto e o nó que senti no peito foi por me ter lembrado de todoas as mães que conheço e que passam por essa dor; digo passo, porque, por mais que os anos corram, a dor continua, uma dor que se vai atenuando com a aceitação, mas que ali permanecerá para sempre. Um grande beijinho, Isabel e parabéns pelo lindo texto. Uma boa semana e até breve
    Emília

    ResponderEliminar
  9. Gostei muito....porque sim!
    Talvez... que quem é portador de fé, seja capaz de "lidar" e aceitar melhor as situações de perda! Mas para mim, apenas vejo um jardim de pedra!
    Talvez.
    Abraço e uma excelente semana.

    ResponderEliminar
  10. Querida Célia:
    Ser mãe é a mais nobre tarefa de uma mulher e ter um filho é uma dádiva de Deus que faz de nós seres privilegiados. Perder essa dádiva de Deus constitui uma dor que transpõe as fronteiras do imaginável e que está muito para além delas. Quanta força e coragem não é necessário ter, para aceitar essa perda, para se resignar na dor do sofrimento e da amputação da alma e do coração? É que há uma parte da Mãe que também parte no caixão com o filho.
    Um abraço do tamanho da inteligência que a Célia coloca na análise destas questões.

    ResponderEliminar
  11. Querida Lilás:
    Sempre obrigada pelo seu apoio e generosidade.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Querida C:
    É uma grande verdade. É preciso ser muito forte para ter um filho e formá-lo de forma equilibrada e harmoniosa, e é preciso muita coragem para conseguir aguentar a dor de o perder.
    Um grande abraço para si.

    ResponderEliminar
  13. Querida F.C.:
    Sensibiliza-me sempre a sua presença serena e gentil.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  14. Querida Fá Menor:

    Obrigada pela visita. Espero-a sempre.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  15. Querida Emília:
    Quantas mães existem por aí com a alma amortalhada? São "Mães-Coragem", porque, melhor ou pior, aprendem a viver com resignação num mar de sofrimento atroz.
    Obrigada, minha Querida, pelo seu contributo crítico, sempre tão oportuno e rico.
    Um abraço com toda a minha amizade.

    ResponderEliminar
  16. Olá, Álvaro!
    Compreendo as suas palavras, mas eu vejo mais do que uma estátua de pedra. Sou Mãe.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  17. Querida Isabel

    Penso que não há dor maior do que uma mãe perder um filho.À saudade junta-se o sentimento atroz de que os pais não deveriam sobreviver aos filhos, é contra-natura, e também a enorme dor frente à injustiça que é ver o desaparecimento de uma vida que ainda nem começou, propriamente, a dar os primeiros passos...Quando se encontra um lenitivo para isso, seja na fé,na espiritualidade ou em todas os recantos onde o nosso coração possa encontrar forças, já é uma graça...Também é uma forma de vislumbrar na partida de um filho algo mais do que a sua forma terrena.

    Beijos.

    Olinda

    ResponderEliminar
  18. Minha querida amiga
    A questão que coloca tb é uma questão para mim... à qual, jamais ansiarei ter resposta. Devolver-lhe este comentário já me faz chorar...sou um vale de lágrimas principalmente qd se tratam de situações desta natureza! só ao tentar imaginar o sofrimento...
    Julgo não existir maior sofrimento que perder um filho... o sentimento que fica, não sei se poderemos chamar-lhe de resignação...talvez seja uma negociação imposta pelo destino, do tipo "fica e sobrevive o melhor que puderes"! Alguns casos, felizmente existem outros filhos...e aí transforma-se em coragem, fé e vida.
    Um abraço do tamanho da sua fé

    ResponderEliminar
  19. Querida amiga
    Obrigada pelo seu apoio. Pois como eu sempre digo.
    Com a sua presença,
    Eu posso ir sempre mais além,
    mas com sua ausência,
    eu não serei ninguém.
    Tem um selinho para você no meu cantinho
    Que eu fiz com muito carinho.
    Pode ir lá pegar se desejar.
    Abraço muito Amigo
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  20. Querida amiga
    Obrigada pelo seu apoio. Pois como eu sempre digo.
    Com a sua presença,
    Eu posso ir sempre mais além,
    mas com sua ausência,
    eu não serei ninguém.
    Tem um selinho para você no meu cantinho
    Que eu fiz com muito carinho.
    Pode ir lá pegar se desejar.
    Abraço muito Amigo
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  21. Isabel Maria

    Natural, no Ordem da Vida, será a dos progenitores partirem adiante.
    Porém, o Destino que nos foi (é) reservado não pertence ao nosso domínio.
    Perder um ente querido é sempre pungente.
    Perder um(a) pequenino(a) é de extrema dureza.
    Acontecem passagens na Vida que não sabemos explicar, mas acontecem.
    Este teu texto relata uma delas (possíveis) que aplaca as Almas e dá conforto e confiança ás Mães quando sofrem tal perda; mostra-lhes a Confiança, desperta-lhes o Espírito para o que nos está reservado, a cada um de nós, que não será a perda e o abandono: antes a continuação da Vida plena de Luz.
    Muito bom o teu Texto.

    SOL da Esteva
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  22. Querida Olinda:
    Não será por acaso que a perda de um filho é considerada "a maior dor do mundo".
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  23. Querida Célia:
    Eu também, ao pensar nisso, choro profundamente.
    A Célia tocou num ponto fulcral: uma mãe que perde um filho, não mais vive. Passa a ser uma sobrevivente.
    Que Deus ilumine sempre essas mães, porque vão precisar sempre de toda a ajuda dos céus.
    Um abraço do tamanho da coragem que essas mães precisam ter para sobreviver.

    ResponderEliminar
  24. Olá, Sol da Esteva:
    Imagino que seja de facto um sofrimento brutal, atroz, inqualificável. Aquele sofrimento que nenhuma palavra é suficiente para descrever. Sobreviver a um filho, é carregar uma cruz de chumbo para o resto da vida. Peço a Deus que dê sempre a mão a esses pais e a essas mães.
    Um grande abraço e obrigada pela sua visita e pelas suas palavras.

    ResponderEliminar
  25. Que Deus abençoe você
    e a mim também.
    Que a nossa amizade tão linda
    nunca chegue ao Fim.
    Que a paz que trago no
    peito seja cada dia maior.
    Que sinceridade seja
    minha maior virtude
    Que o amor que sinto no coração
    seja tão grande
    o maior que uma pessoa pode ter.
    Que sua semana seja uma
    benção Divina.
    Com carinho beijos no coração,,Evanir..

    ResponderEliminar
  26. Eu esqueci de dizer referente a sua postagem
    sinto me incapaz de dizer qualquer coisa nesse momento.
    Ainda ontem fiz uma postagem referente a perda de filho.
    Um amigo poeta e blogueiro perdeu o filho com 16 anos num acidente.
    Estou chocada diante do sofrimento dessa familia.
    Agora imagino como sera a vida dessa familia.
    E dr sem limites sem medidas beijos,Evanir

    ResponderEliminar
  27. Olá Isabel
    Já me ri com a sua dúvida...eu realmente não me expliquei bem...lol
    O que queria dizer era que os comentários normalmente estão guardados por um link, o que não acontece nos posts...Concluindo, não se preocupe que não tem defeito nehum no seu blogue, minha amiga :)
    Um abraço do tamanho da minha parvoíce...lololololol

    ResponderEliminar
  28. O pequeno trecho, de "O Profeta", já nos
    prepara, para o que o que logo vem. Belo e comovente texto. Perder uma mãe, é muito doloroso, perder um filho é inimaginável.
    Há poucos dias, uma colega de trabalho,
    amamentava (imprudentemente) o filho de 3
    messes, no banco da frente do carro que o
    marido(pai) dirigia, quando uma luz de um
    carro, contrário, ofuscou sua visão, fazendo-o
    perder a o controle da direção. Apenas o bebê faleceu. Era o primeiro filho, de uma gravidez difícil. Nada consola, só o tempo, pode aliviar o sofrimento...e uma atitude semelhante à da jovem mãe do seu texto, ao enfrentar "os fantasmas"...

    Muito bem estrturado, esse texto tão real.
    Beijinhos, querida amiga

    ResponderEliminar
  29. Ao Lê-la senti um arrepio!!! Uma história que fala de fé, amor e liberdade!!! Como sempre fechada com chave de ouro!!! Isabel, você tem o condão de comover para além de surpreender!!! A morte de um filho? Sabe a minha opinião acerca disso...

    Muitos beijinhos

    ResponderEliminar
  30. Querida Evanir:
    É de facto uma realidade que nos deixa sem palavras.
    Um abraço e obrigada pelo carinho.

    ResponderEliminar
  31. Querida Célia:
    Não! Eu é que peço desculpa por não ter entendido.
    Um abraço que, já se sabe, nunca é pequeno.

    ResponderEliminar
  32. Querida obrigada por seu carinho, beijo no coraçáo, Lisette.

    ResponderEliminar
  33. Querida Evanir:
    É dor sem fronteiras, dor sem limites, padecimento até ao fim.
    Um abraço muito apertado.

    ResponderEliminar
  34. Querida Lúcia:
    Um autêntico drama esse que contou. Deus ajude sempre quem perde alguém.
    Um grande abrtaço.

    ResponderEliminar
  35. Querida Pedras Nuas:
    Obrigada pela visita e pelas palavras.
    Um abraço com toda a minha amizade.

    ResponderEliminar
  36. Minha querida Isabel María: Hay dolor, belleza y esperanza en tu escrito y es que el dolor de las madres por sus hijos es infinito. Tu protagonista supo remontar el vuelo y enfrentarse con la vida y finalmente a su corazón llegó el consuelo de saber que su hijo era ya un ángel más en el cielo. Precioso.Triste y bello a la vez.

    Brisas e beijos.

    P.D/ Estoy contenta de volver a tu casa y encontrarme con el cariño de siempre.

    ResponderEliminar
  37. Un bello texto lleno de dolor.
    Te dejo mis saludos y deseo tengas un
    feliz fin de semana.
    un abrazo.

    ResponderEliminar
  38. Minha Querida Malena:
    Fico feliz por me teres visitado. Fico sempre feliz com a tua visita.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  39. Olá, Ricardo Miñana:
    Obrigada pela sua visita.
    Volte sempre.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  40. Um texto comovente. No caminho de volta há sempre uma possibilidade de encontrar a resposta que, em verdade, vive dentro de nós.

    Muito bonito, Isabel! O que não é nenhuma novidade por aqui.

    Bjs, amiga. Bons dias para você. Inté!

    ResponderEliminar
  41. Isabel minha amiga querida

    Vim a este post porque ele foi especial para mim, quando o li...
    Eu já tinha muitas saudades suas tb e isto deixa-me a pensar se será salutar sentir amizade tão grande por alguém que mal conhecemos??? não se ria...eu sei que parece ridiculo, mas não posso deixar de o dizer, principalmente porque estamos numa dimensão virtual...lol
    Li os seus coments todos e vi aquele em que "delira" sobre a a idade...permita-me que lhe diga para ter juizo...lolol.
    Já tem idade para isso...lololol
    Meio século + 1 é a idade au point para sentir-se ainda mais jovem...:)
    Sabe que sem querer começamos a pensar que idade têm as pessoas por estes espaços???!!! e juro-lhe que tinha pensado que teria aproximadamente a minha (na casa dos 40..lol) talvez pela afinidade, embora isso não seja condicionante de nada, como se sabe! A mim não me preocupa a idade em termos numéricos, mas sim a possível falta de capacidades e aí procuro contrariar...de tal forma que me sinto bem comigo mesma e esqueço o factor idade...lolol
    Quanto ao resto, responderei no meu último post, senão isto vira testamento :)
    Adorei tê-la de volta e por favor nunca desapareça da minha visão...ok, está prometido lol
    Hoje dou-lhe um beijo de saudade

    ResponderEliminar
  42. Isabel, esqueci de perguntar: fez anos hoje?
    Mesmo que não tenha feito, envio-lhe os meus parabéns pelos que já tem e pela jovialidade que demosntra nas palavras :)
    Além da serenidade que passa para cá..lol
    Abraço do tamanho da amizade

    ResponderEliminar
  43. Isabel
    Passei porque senti saudades.
    Vi um texto belo e para mim belo o seu amor aos Anjos que eu venero e me acompanham porque lhes peço sempre protecção e sinto-os perto de mim.
    Amor de Mãe não tem medida é Infinito.
    Beijos

    ResponderEliminar
  44. Comovente, porém, um lindo texto. Bom caminhar mentalmente pelas ruas e jardins de Viseu rumo a liberdade.

    Beijo

    ResponderEliminar