domingo, 19 de junho de 2011

NO POENTE DO MEU OLHAR


                     Naquele entardecer, corrias à beira-mar como um cavalo à solta. Ágil, veloz, com pernas compridas, possantes, da cor do chocolate.
                    Eu, hipnotizada, a fixar os teus pés estilizados, castanhos, que rasgavam o manto branco rendilhado das ondas na areia.
                     Ao passares à minha frente, olhaste para mim e sorriste. Um sorriso de garoto, de homem, de Deus. Um sorriso imortal. Um mar de constelações no teu olhar.
                     Ah, como o teu sorriso me embriagou! 
                     No dia seguinte, à mesma hora, acorri àquela praia.
                     Não te vi...
                     Nos dias que se seguiram, voltei sempre à mesma praia, ao entardecer.
                     Nunca mais te voltei a ver...
                     Ah, homem! Foi há tantos anos! Existirias realmente, ou terás sido uma miragem divina no poente do meu olhar?


Texto e foto da Isabel Maria.

41 comentários:

  1. Olá Isabel Maria - Um estilo "diferente" na minha opinião! Gostei muito.
    No fundo que interessa se foi uma miragem ou se foi realidade! Por vezes, até confundimos as duas e outras vezes são elas que nos confundem:)
    Um Abraço e uma óptima semana

    ResponderEliminar
  2. Querida Isabel
    Por vezes, temos "visões" que nos marcam tanto que jamais ficaremos a saber se foram reais ou não...julgo que, talvez, não queiramos saber dado que não averiguamos a sua origem...apenas surgem em alturas da nossa vida em que estas nos faziam falta.
    É como se a nossa mente as convocasse para nós, precisamos delas e vêm trazer-nos a beatitude que precisáramos...
    Algo parecido acontece-me, por vezes, qd estou mais cansada ou "em baixo"...nesse dia, surge alguém que já não via há muito tempo e que sem esperar me vem fazer companhia...uma amiga, um mail, uma gesto, um sonho...algo ou alguém que eu procuro e que me encontra!!! :)
    Um abraço do tamanho de um sol poente bem caloroso :)
    Célia

    ResponderEliminar
  3. Querida Isabel

    Prosa ou poesia? O ritmo, a musicalidade, a própria envolvência do estilo não deixa nada por dizer.Tive saudades de um tempo que talvez tenha existido ou então que eu gostaria que tivesse existido: de amores fugazes, de momentos idílicos, da imensidão do mar, de horizontes desconhecidos.E a alma alimenta-se dessas miragens e queda-se acima de qualquer ocaso.

    Beijos

    Olinda

    ResponderEliminar
  4. Olá, Álvaro!
    Tem razão. Na verdade, o que interessa que tenha sido uma miragem ou que tenha sido realidade? O que importa é que houve um momento que se eternizou naquela praia. Ficção e realidade não se confundem? Não giram ambas em torno do eixo da vida? Como muito bem observa o Álvaro, tanto somos nós que as confundimos, como elas que nos confundem a nós.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  5. Querida Célia:
    Os anjos surgem quando a Célia mais precisa deles. Aconchegam-lhe a alma, afagam-lhe o coração e trazem-lhe a paz celestial.
    Há mesmo momentos em que temos um pedacinho do céu, com a paz dos anjos, junto de nós. Era o que eu estava agora a pensar, em sintonia consigo, ao ouvir o meu filho mais novo tocar piano. E quando oiço o mais velho, sinto o mesmo. O piano traz-me paz. São os anjos a tocar melodias de piano perfumadas à minha janela.
    Agora, minha Amiga, vou caminhar um pouco.
    Um abraço do tamanho da paz que desejo que a inunde sempre.

    ResponderEliminar
  6. Querida Olinda:
    "E a alma alimenta-se dessas miragens e queda-se acima de qualquer ocaso." é uma pérola, desde logo porque encerra em si todo o entendimento daquilo que escrevi e que não consegui resumir brilhantemente como a Olinda acaba de fazer.
    Bem haja pela sua "achega", pelo seu contributo crítico e pela sua presença constante.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  7. Querida Isabel,
    Às vezes surgem lembranças tão distantes,tão cobertas de névoas, que nos deixam dúvidas se
    realmente aconteceram. O desejo, de que as cenas
    tenham sido reais, é tão intenso, que procuramos "afastar" essa névoa, para que as cenas se tornem reais. Mas, na verdade, o que importa, é a força do pensamneto, na estrturação daas cenas. Na idéia, é uma "peça teatral", que nós próprios criamos, ou não, passando a encena-la...no "teatro da mente".

    Muito belo, o seu conto...
    Beijos

    ResponderEliminar
  8. Isabel

    Uma família de artistas...com esses genes da mãe e da avó não poderia ser diferente...lol
    Que felicidade a sua, amiga! Poder enlevar-se na música dos seus filhos, nas suas criações artísticas...
    Poder-se-á dizer que isto é criação a partir da sua criação como mãe que concebeu os filhos...
    Nós somos umas mulheres bafejadas pela sorte...somos capazes de ver anjos! E amá-los, verdadeiramente!
    PS. quase me apetecia desafiá-la para caminhar comigo... faço-o, diariamente, na companhia de duas vizinhas, aproveitamos para conviver um pouco já que os dias repletos de trabalho tiram-nos esses momentos. Outros dias tb faço corrida, enquanto as pernas e a idade me deixarem...lololol
    Estou aqui a pensar que tamanho de abraço lhe hei-de desejar...nós bem que dissemos que a imaginação iria faltar...lolololol
    Vou fazer-lhe um desenho mental: pense nos meus braços, no meu sorriso e sinta-os a rodearem-lhe os ombros no mais puro dos sentimentos de amizade.
    Sentiu? :)

    ResponderEliminar
  9. Mi querida Isabel María: Son unas letras bellísimas que te llevan a soñar. A veces la realidad se confunde con el sueño pero lo más importante es lo que nos hizo sentir y para ti fue algo muy dulce.

    Brisas e beijos minha querida amiga.

    Malena

    ResponderEliminar
  10. Querida Isabel
    O teu conto é tão cheio de ternura nostálgica que me enterneceu o coração.
    Muitas vezes recordamos momentos fogazes, tão rápidos e inconsistentes, que pomos em dúvida se aconteceram mesmo.
    A verdade é que, se foram apenas ilusões, de tanto as recordarmos passam a ser reais e a fazer parte das nossa memórias.

    Obrigada pelo teu carinho na minha «CASA».

    Uma semana feliz. Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Imagens poéticas lindas, Isabel! No poente do olhar há nascentes milagres, sim... Verdade ou imaginação, não importa. Fênix,... capaz de renascer das coloridas cinzas da memória ou da vontade.

    Belíssimos, - o texto e a foto.

    Bjs, querida. Uma boa semana. Inté!

    ResponderEliminar
  12. Querida Lúcia:
    Obrigada por atravessar o Atlântico e vir visitar-me e bem haja pela força que me dá.
    Um abraço cheio de amizade.

    ResponderEliminar
  13. Mi Querida Malena:
    Tu trazes sempre contributos valiosíssimos.
    Um abraço muito grande, Amiga.

    ResponderEliminar
  14. Querida Mariazita:
    Ainda bem que pudeste vir até cá. Escreves sempre uns comentários muito perspicazes e acertados.
    Um abraço gigante.

    ResponderEliminar
  15. Querida Ju:
    Os seus comentários são poemas. Ou dito de outra maneira: São pérolas.
    Obrigada.
    Beijinhos e até sempre.

    ResponderEliminar
  16. Uma delícia seu texto.

    Não importa se é real ou não, o importante é que existe em sua mente e te deixa cheia de saudades boas...

    Beijos

    ResponderEliminar
  17. Agradeço seu carinho deixado em meus blog isso vem fortalecer o carinho que senti ao entrar no seu blog beijos no coração,Evanir..

    ResponderEliminar
  18. Querida Parole:
    Um abraço muito grande e obrigada pela visita e pelo comentário.

    ResponderEliminar
  19. Querida Evanir:
    Esse carinho é recíproco, como sabes.
    Um abraço grande para ti.

    ResponderEliminar
  20. Que ternura essa comparação com a Menina do Mar! E a minha Mãe há-de gostar de saber que foi comparada à Fada Oriana, que dançava nos campos, alegre e feliz e que era muito boa e muito bonita! O Rapaz de Bronze, o dono do jardim durante a noite, pode ser qualquer um dos meus filhos, desde que o jardim cheio de gladíolos e outras flores, seja meu, e o Cavaleiro da Dinamarca, que é guiado no regresso a casa por uma luz, será o meu marido.

    Esta resposta sua merece uma ovação !!!

    Há olhares muito sedutores que nos apaixonam ...atraem logo à primeira...esses olhos nunca se esquecem...são para guardar no baú da memória.

    Beijinho querida Isabel.

    ResponderEliminar
  21. Querida Pedras Nuas:
    A poesia está na pergunta inspiradora que me foi feita por si, no seu repto. A minha resposta foi inspirada pela sua sensibilidade.
    Um grande, grande, grande abraço.

    ResponderEliminar
  22. Um grande abraço e (sorrisos) A sua sensibilidade também é enorme!!!E o seu talento!!!
    Muito Obrigada Isabel.

    ResponderEliminar
  23. Às vezes há quase-miragens assim :)

    Bjos

    ResponderEliminar
  24. Miragem ou não o importante foi o momento...lindo, cheio de sensibilidade!
    Bjs

    ResponderEliminar
  25. Isabel ,
    uma beleza esta descrição .
    Tudo dito sem muitas palavras . Mas consegui ver o belo homem na praia , correndo .

    Um beijo

    ResponderEliminar
  26. Demasiado sentido para ser miragem!

    Há homens assim: únicos porque embuídos (aos nossos olhos) de sonho.
    E ficam, e perduram, e acompanham-nos...

    Abraço.

    ResponderEliminar
  27. Isabel Maria

    Visões, Sonhos, Miragens...
    O que muito desejamos surge-nos do nada e acalenta a Alma, quase sempre, para a Vida.
    Se sonhamos Amor, é porque temos muito para dar.
    Belo Poema.

    Beijo

    SOL da Esteva
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  28. Tem "miragens" que se eternizam no coracao, sem contar as vezes em que grudam, e formam um carrossel de lembranças por toda a vida. Já tive miragens parecidas, Isabel.

    Grande beijo!

    ResponderEliminar
  29. Oi Isabel!
    Ao olhar o mar ,tudo pode acontecer, já reparou quando absorta nos nossos pensamentos, ouvimos só o barulho do mar a esprair-se na areia?
    Olhamos para tão longe, perde-se o olhar até à linha do horizonte e o nosso pensamento ainda consegue ultrapassar,são momentos que tudo vemos ,realidade ou ficção, não sei realmente, ontem assim me aconteceu, sentado numa pequena esplanada, sei que comigo estava mesmo ali o mar!
    Até breve
    Herminia

    ResponderEliminar
  30. Olá, Teresa!
    E o sonho confunde-se com a realidade e a realidade com o sonho. Não é o sonho que comanda a vida?
    Beijo.

    ResponderEliminar
  31. Olá, Sol!
    Que seria da vida sem o sonho, sem as miragens a perfumá-la, a dar-lhe cor e brilho, e a aveludá-la?
    Obrigada pela sua presença.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  32. Olá, C.!
    Como num carrossel de estrelinhas esvoaçantes, multicolores e perfumadas.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  33. Olá, Hermínia!
    Foste tu pou a Emília que foi visitar os pais ao Brasil? Só queria saber como estão eles.
    A propósito do teu comentário: Olhar a linha do horizonte numa praia ao entardecer, é viajar até ao céu.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  34. Olá, Hermínia!
    Foste tu pou a Emília que foi visitar os pais ao Brasil? Só queria saber como estão eles.
    A propósito do teu comentário: Olhar a linha do horizonte numa praia ao entardecer, é viajar até ao céu.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  35. Mi querida Isabel María: Vengo a desearte un feliz domingo y a decirte que eres una persona muy especial con un alma enorme.

    Brisas e beijos.

    Malena

    P.D/ Por qué no escribes? ¿Estás bien?

    ResponderEliminar
  36. Mi Querida Malena:
    Muito obrigada pelas tuas palavras, Fada Boa.
    Estou bem, mas só coloco postagens ao domingo, já que a minha profissão me absorve muito tempo.
    Um grande abraço para ti, com toda a minha amizade.

    ResponderEliminar