domingo, 26 de Junho de 2011

UMA RÉSTIA DE SOL NO NOSSO ENTARDECER



A casa está toda iluminada pela paz.

Do piano brotam "Cachoeiras da Serra Op 13, nº 4", de Luiz Costa, tocadas por ti.

Ah, se tu soubesses como o céu beija a terra quando tocas piano!

Lembro-me de ti, tão pequenino, a tocares, mesmo ainda antes de entrares para a escola, com camisa e laçarote, nas audições do Conservatório. Eras tão gracioso! Olhava para ti com o mesmo enleio com que olho hoje, apesar de, agora, já não usares laçarote.

Como cresceste! Não obstante, quando tocas, vejo sempre aquele meu menino pequenino que mal chegava ao piano e que, com as mãozitas, acariciava o teclado, do qual fluíam melodias executadas por querubins.

O mesmo menino que, todas as noites, quando transmitiam na televisão "O Patinho - Todos os Patinhos", saltava para o meu colo, para juntos ouvirmos : "Todos os patinhos acabam de brincar,/ acabam de brincar,/os pijamas vão vestir e os dentes vão lavar/ os pijamas vão vestir e os dentes vão lavar,/ É que a esta hora, é a hora de ir dormir,/é a hora de ir dormir,/ mas ainda há tempo para uma história ouvir,/ mas ainda há tempo para uma história ouvir,/pais, mães ou avós à cama lhes vão dar, /à cama lhes vão dar/um beijo de boa noite e a luz apagar./ um beijo de boa noite e a luz apagar."

Depois, o papá ia à tua cama e contava-te uma história. E tu ficavas embevecido com a "A Menina do Mar" e "O Rapaz de Bronze". E eu sentia o sorriso feliz da Sophia, escutando, também ela deliciada, as histórias.

Lembro-me como também te regalavas com a "A Trança de Oiro e os Três ursinhos" que eu te contava, e que embalavam o teu sono.

Eu e o papá temos muito, muito, muito orgulho em ti. Continuas a ser o nosso menino pequenino, a par do nosso outro menino pequenino: o teu irmão. Sentimos o nosso coração aconchegado por um manto de luz divina por seres um aluno dedicado aos estudos, teres uma boa formação moral, um coração do tamanho do mundo, um sentido de humor inteligente e teres sabido encontrar o teu caminho.

Sabemos que, muito em breve, irás para a Universidade e que não mais te teremos aqui todos os dias. Vamos sentir tanto a tua falta! E o teu irmão também. (Se visses a tola da tua Mamã a chorar agora... Se soubesses como ela chora de cada vez que se lembra que isso está na iminência de acontecer...)

Ganharás as tuas asas, constituírás família. Mas tu e os teus terão sempre aqui um ninho, um porto-de-abrigo, com as estrelinhas esvoaçantes, multicolores e perfumadas, que aqui semeaste.

Do piano desprender-se-ão "Cachoeiras da Serra", mesmo na tua ausência, e serás sempre uma réstia de sol no nosso entardecer.

                                                     Texto e fotografia da Isabel Maria.



                                                     

39 comentários:

  1. O (des)envolvimento quer dizer isso mesmo; os filhos partem, mas permanecem sempre nas nossas memórias e na nossa vida. Um belo texto acerca de como deve ser a ligação pais/filhos.
    Com todas as razões acrescidas para sentir "aquele orgulho" que nos envaidece e que faz de nós os "pais mais orgulhosos do mundo"...com os melhores filhos... do mundo!
    Felicidades para todos.
    Abraço e uma excelente semana.

    ResponderEliminar
  2. Viva, Álvaro!
    Muito obrigada por nos ter desejado felicidades a todos, o que muito me sensibilizou.
    Ainda bem que o Álvaro me entendeu. Mãe é Mãe! E os filhos eternizam-se no nosso coração.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Minha querida Isabel María: Hay un momento en nuestras vidas en que los hijos van creciendo y necesitan comenzar a volar, a hacer o a cumplir su destino en la tierra y nosotras vamos escondiendo las lágrimas que son una mezcla de tristeza y de orgullo.

    Ellos se van pero saben que el nido del hogar de sus padres siempre estará abierto para ellos. Que su vuelo sea hacia la felicidad.

    Brisas e beijos, amiga querida.

    Malena

    ResponderEliminar
  4. Amiga Isabel
    de tarde já havia tentado deixar um comentário, mas deu "servidor indisponível" e perdeu-se...Fiquei tão zangada (não consigo!!! lol) que desisti por momentos...que se prolongaram pelo dia...o trabalho impôs-se!
    Tinha eu dito algo assim:
    Como eu a compreendo na antevisão de liberdade do seu filho...um pássaro que voará mais longe com a pujança das suas asas de jovem mas sempre aguardado e acarinhado pelo amor que lhe têm. Quem de um nonho desses aprende a voar, sózinho se fará Homem...pois que de memórias e aprendizagens vai repleto e saberá sempre revisitar o ninho que o viu "partir"...voos pequenos mas cada vez mais altos!
    Serene amiga, não tarda que volte mais um do que aquele que foi...lol
    Desta feita, envio-lhe um abraço do tamanho dessa dedicação de mãe sem fim!
    Felicidades

    ResponderEliminar
  5. Querida Isabel

    É neles que nos revemos e, muitas vezes, projectamos alguns dos nossos anseios.E poderá dar-se o milagre de vermos a 'réstia de Sol do nosso entardecer' transformar-se, com eles, num cintilar de milhentas estrelas que deixam no seu rasto uma estrada maior que a Estrada de Santiago...

    Belo texto.Emocionei-me.

    Beijos

    Olinda

    ResponderEliminar
  6. Aqui fica o comentário que o Miguel deixou na minha caixa de correio electrónico:


    Querida Isabel Maria,

    Ainda não estou conseguindo comentar em seu blog, se houvesse a possibilidade de efetuar os comentários como Anônimo ou Nome/URl eu conseguiria, porém estão indisponíveis.

    Minha cara, nossos filhos sempre serão nossos pequeninos adorados, pena que cresceram, as saudades desses pequenos quando ainda pequeninos são tantas.

    Mas esta é a nossa vida, não é mesmo?

    Beijo querida, muita saúde a vc e aos teus, até outras...

    http://blog-literaturando.blogspot.com/
    Miguel

    ResponderEliminar
  7. Querida Isabel
    O teu texto "escorre" amor de Mãe.
    Entendo-te bem!
    Por um período relativamente pequeno estive uma vez separada da minha filha mais nova. Esteve internada num colégio, só vinha passar o fim de semana. Todos os domingos à noite, no regresso de a ter levado, chorava como uma Maria Madalena!
    Custa muito a separação dos filhos, tal como nos custa admitir que eles cresceram e precisam viver a sua vida.
    Tenho a sorte de ter tido sempre os meus filhos perto de mim (com a pequena excepção que referi atrás) , e mesmo agora, que todos (são 3) têm as suas famílias organizadas, continuamos a viver muito próximo uns dos outros, e a falar-nos e ver-nos diariamente.
    Terás que arranjar força e coragem para suportar a separação do teu filhote; ele precisa de abrir as asas para as fortalecer, e poder viver a sua vida em pleno.
    Para ele desejo as maiores felicidades nos estudos. Para todos vós toda a felicidade do mundo.

    Uma semana cheia de Luz. Beijinhos

    PS - Sem meninos e meninas o mundo seria uma pasmaceira:)

    ResponderEliminar
  8. Mi Querida Malena:
    Sei que me compreendes bem e que sentes como eu.
    Muito obrigada pelas tuas palavras sempre carinhosas.
    Um grande abraço e uma excelente semana para ti.

    ResponderEliminar
  9. Querida Célia:
    Muito obrigada pelas suas palavras amigas que tanto me confortam.
    O meu filhote ainda vai para o 12º ano, mas como "o tempo voa", eu sinto a iminência dos acontecimentos e, como Mãe é Mãe, sofro antecipadamente.
    Sinto que a Célia me entende perfeitamente, porque também é Mãe e está coroada de sensibilidade.
    Já sabe que para os seus três anjos desejo o mesmo que para os meus: que Deus lhes dê sempre a mão. Assim, percorrerão sempre o seu trilho em excelente companhia e saberão contornar melhor os escolhos que se lhes depararem na caminhada.
    Desculpe a demora da resposta e o facto de só agora ir deixar um comentário no seu blog, mas tenho estado assoberbada com trabalho.
    Desta feita, um abraço do tamanho do firmamento estrelado.

    ResponderEliminar
  10. Nossos filhos são sempre os nossos pequeninos!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  11. Querida Mariazita:
    Sinto que és uma Mãe e uma Avó dedicadíssima e super-generosa. Abençoados os teus filhos e netos, que têm uns alicerces muito sólidos que tu soubeste construir de forma exímia.
    Quero pensar que, em termos de saúde, tudo correrá da melhor forma possível contigo.
    Um abraço para ti com toda a minha amizade

    ResponderEliminar
  12. Querida Olinda:
    Tem toda a razão. A réstia de sol pode transformar-se num mar de constelações que iluminam e abrilhantam o nosso caminho. Basta querermos e crermos.
    Sensibilizada pela sua presença sempre carinhosa em "Luz de áfrica", deixo-lhe um grande abraço.

    ResponderEliminar
  13. Olá, Miguel!
    Obrigada pelas suas palavras de solidariedade vindas do outro lado do Atlântico.
    Um forte abraço.

    ResponderEliminar
  14. Obrigada, minha querida.
    Tu és um anjo e... (à brasileira, rsrsrs)
    te gosto muito:)

    Noite feliz e tranquila.
    Beijo GRANDE

    ResponderEliminar
  15. Amiga Isabel
    Já não é a primeira vez que venho ler os seus textos e me trazem á memória recordações lindas! encontrei-me neste texto! olhando embevecida o meu "menino" com mãos de pianista que ouvi tocar vezes sem conta...depois veio essa tal faculdade...e agora, quase a terminar e cada vez menos vezes em casa, observo aqueles dedos esguios que ainda gostam de acariciar o teclado do piano.
    São eles os nosso meninos homens que criamos com tanto amor e orgulho, e tanto contribuem para a nossa felicidade.
    Um grande beijo para vocês

    ResponderEliminar
  16. Boa noite,
    Que lindo o seu texto!
    Para uma mãe seus filhos, são sempre pequeninos.
    Para uma mãe seus filhos são as batidas de seu coração.
    para uma mãe seus filhos são a sua linda vida.
    Para uma mãe seus filhos são as flores de um belo jardim.
    Para uma mãe seus filhos são a essencia de seu Amor.
    a essencia do Amor de Deus!
    Tenha uma linda e muito bonita noite.
    Abraço fraterno
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  17. Querida Lilás:
    Adorei o seu comentário e gostei de a ouvir falar do seu tesouro com mãos de pianista.
    Para ele desejo o mesmo que para os meus filhos: Que a vida lhe sorria sempre e que Deus o aconchegue sempre com um manto de luz.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  18. Isabel, esse post lindo, onde a gente quase pode ouvir o pulsar do seu coração, me pegou de jeito... Ah, como eu sei o que você está sentindo... Quão difícil é para uma mãe separar-se do seu filho, ainda que por uma causa tão importante. Quando minha filha aprendeu a andar, eu já sofria pensando nisso. À época, lá se vão trinta e um anos, escrevi para ela um poema, e, com a sua permissão, deixo aqui para você alguns daqueles versinhos.

    Do rosto/ lembro-me ainda/ os lábios buscando o seio,/ e eu dividida ao meio/ mais inteira que jamais,/ sempre e nunca mais sozinha.

    Os pés… tão bonitinhos!/ Não lhes conheço os caminhos…/ (Devo deixá-los ir,/ preciso deixá-los seguir/ esse rastro de mistérios…)

    Veio à vida/ vem-lhe as ondas,/ tempestades, calmarias,/ muitas velas a içar/ na imensidão desse mar…/ Tanto porto a alcançar…

    Desejo, Isabel, muitas alegrias no caminho do seus queridos filhos. E à você, a felicidade de ver-lhes os sonhos realizados. Um beijo,amiga, obrigadíssima pelas palavras de grande incentivo que sempre me dedica pós leitura de meus escritos. Inté, querida!

    ResponderEliminar
  19. Isabel Maria

    Aos nossos Bebés, desejamos cresçam. Depois eles "fogem-nos" como se o tempo fosse instantâneo.
    Aí, sofremos o curso natural da Vida.
    Não os perdemos, nunca, porque eles estão sempre ali.Nós, como seus Pais. Eles como nossos Filhos.
    Apenas temos de aprender a não ouvir o "ruído" das suas presenças.

    SOL da Esteva
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  20. Ainda me baila um sorriso nos lábios :)

    Há vidas tão parecidas :)

    Bjinhos

    ResponderEliminar
  21. Minha amiga
    Procure não antecipar sofrimento...antecipe sim, as alegrias que vai ter nessa nova fase da vida do seu filhote....Porque vai ter muitas, vai ver que sim! Depois mo dirá...lol.
    O meu filho entrou este ano para a faculdade, mas eu durante o 12º ano já "sofria" tb, primeiro com as médias às disciplinas e depois com alguma ansiedade por saber para onde iria ele...mas ficou cá, na nossa universidade. Tudo acontece como tem de ser...eh eh eh
    Não peça desculpa pela demora na resposta, por favor...isto não é uma obrigação para deixar as pessoas sob pressão, embora confesse que adore receber os seus comentários (assim como outros..não vá alguém sentir-se menosprezado sem justificação....eh eh eh)
    Tb tenho estado um pouco mais distante do blogue, pois do mesmo mal que a Isabel eu me queixo. Todavia, lá pela madrugada ou à hora do almoço..lá encontro um bocadinho para visitar-vos...
    Um abraço do tamanho do dom musical do seu filho e que Deus os conserve aos dois (e a toda a sua família) com muita saúde.
    Célia

    ResponderEliminar
  22. Isabel ,
    bela postagem onde vive a calma e o amor incondicional por esses seres que serão sempre os nossos meninos .

    Um beijo para todos

    ResponderEliminar
  23. Querida Ju:
    Lindo esse seu poema. O Amor Maternal feito poesia. Bailam constelações naquilo que a Ju escreve. É sempre uma beleza.
    Abraço as duas - mãe e filha, num só abraço.

    ResponderEliminar
  24. Olá, Sol!
    Obrigada pelo conforto.
    Tem toda a razão: eles estão sempre ali.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  25. Olá, Fá Menor:
    Também me ficou a bailar um sorriso nos lábios por ver um sorriso a bailar nos seus. É verdade: há vidas tão parecidas! Eu sei que sente o mesmo que eu.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  26. Querida Célia:

    Os seus comentários são como mangas: têm sempre um suco delicioso.
    E sempre cheios de luz, uma luz que nos aconchega o espírito e ilumina o nosso caminho.
    Muito obrigada.
    Já sabe que desejo o melhor para os seus anjos e para si, Super-Mamã.
    Um abraço do tamanho do amor que tem pelos seus anjos.

    ResponderEliminar
  27. Olá, Lilazdavioleta!
    Eles serão sempre os nossos meninos.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  28. Sou casada, mas não tenho filhos e me lembro de quando meus pais me deixaram em frente à republica na cidade onde iria fazer faculdade e vi minha mãe me trazendo o travesseiro e limpando as lágrimas nele... tinha 17 e hoje tenho 30 anos... acho que nunca esquecerei a cena...

    Parabéns pelos ótimos filhos, querida, tarefa árdua essa, mas que compensa...

    ResponderEliminar
  29. Querida Alice Cerqueira:
    Adorei todas e cada uma das suas frases. São pérolas.
    Muito obrigada pela sua companhia.
    Volte sempre.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  30. Boa noite amiga, vim agradecer a voce por sua linda presença no meu cantinho e fazer parte dos meus 200 seguidores! Venha pegar o selinho dos 200 seguidores que eu fiz com muito carinho. Tenha um lindo final de semana.
    Abraço amigo!
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  31. Olá se recorda de mim? É o Magno Oliveira do Blog Folhetim Cultural, há muito tempo não lhe visito e eu também a ti, como anda seu blog? O Folhetim Cultural a cada dia crescendo. Agora temos espaço para contos, poesias, crônicas, charges e muitas outras coisas que espero que goste.

    Blog: informativofolhetimcultural.blogspot.com
    E-mail: folhetimcultural@hotmail.com
    o Blog agora tem até twitter: twitter.com/folhetimcultura ou @folhetimcultura

    Espero por ti abraços!

    ResponderEliminar
  32. Isabel...que mãe tão babada...tão orgulhosa do seu rebento mais velho...e não é para menos...quem bom semeia,bom colhe...a vida dá o troco de volta...é tão raro nos dias de hoje sentir esse ambiente familiar unido,apoiando-se mutuamente no respeito pela diferenças e escolhas de cada um. Não chore porque o seu filho, como diz e bem no seu texto, precisa voar,ir à vida, tal como a Isabel também fez, cumpriu-se a ordem natural das coisas...Que o rapaz sinta que tem o alicerce...a base...o "colo" da mãe...isso é muito importante para vencer!!!!Que conquiste ventos e mares!!!
    Isabel, no sei lá, são personagens diferentes...:)))
    Muitos beijinhos e seja Feliz

    ResponderEliminar
  33. Querida amiga bom dia
    Vim pedir o seu votinho para a minha poesia
    Titulo
    Precisamos
    Link da votação

    http://ostra-da-poesia-as-perolas.blogspot.com/

    para que o voto seja valido se votar no moral da poesia que fica abaixo das poesias, precisa fazer seu comentario deixar seu nome e seu link
    desde ja lhe agradeço de tudo o coração
    Tenha um lindo dia!
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  34. Os filhos fazem sua história...beijo Lisette.

    ResponderEliminar
  35. VENHO EM NOME DA CRIS

    "Estou com o mesmo problema do seu amigo Miguel, nao estou conseguindo comentar em vários blogs, como sou persistente, cá estou.

    Imagino como seja esse momento de separacao, em que os filhos tomam seu rumo e a mae tem que ficar forte, em casa, torcendo por sua sorte. Mas creio seja apenas uma circunstância, e bem plausível, lá estará seu herdeiro concluindo o que lhe foi ensinado em casa, lindamente.

    Me emocionei ao te ler Isabel."


    Foi este o comentário que a Cris, nossa seguidora brasileira com costela austríaca, me pediu que lhe enviasse. Ela está com problemas em aceder a alguns blogues...:(

    Aproveito para enviar, a si e a ela um abraço do tamanho da partilha da amizade

    ResponderEliminar
  36. Querida Pedras Nuas:
    Os seus comentários são sempre tão carinhosos! Obrigada por toda a força que me deu. Assim, preparo-me melhor para o dia em que o meu mais velho for para a Faculdade. Ele ainda vai para o 12º ano, mas sinto que o tempo se escoa por entre os dedos e o tal dia, chegará muito rapidamente.
    Que raça é esta, a das Mães, que começam a sofrer com tanta antecipação, por aqueles que, para elas, são os melhores do mundo?
    E há sempre remorsos por não termos sido melhores.
    Sei que me entende, Amiga.
    Um beijo e até breve.

    ResponderEliminar
  37. Isabel, tenho certeza deixei um comentário aqui, e agora voltando, nao o vejo.

    O blogger tá de conspiração comigo ;(

    ResponderEliminar
  38. Entendo Isabel!!! Há mães e mães!!! e sabe disso tão bem quanto eu!!!! Obrigada pela atenção.

    Um beijo e até breve

    ResponderEliminar