domingo, 12 de junho de 2011

DE MÃO DADA CONTIGO, MAMÃ, NA PRAIA DE RELANZAPO


Hoje, Mamã, à hora do crepúsculo, invadida pelo cansaço de mais um dia de trabalho, cheguei a casa e sentei-me no sofá da sala.

Fiquei a olhar para coisa nenhuma, até que os meus olhos se detiveram no búzio tigrado que repousa na prateleira da parede em frente do sofá.

 Olhando através do búzio, vi uma menina de 13 anos a caminhar à beira-mar, de mão dada com sua mãe, na Praia de Relanzapo, com o marulhar do Índico a embalá-las. O manto branco rendilhado das águas vinha render-se aos pés delas, trazendo-lhes conchas, búzios e estrelas do mar. A menina delirava com os búzios tigrados grandes.

Lembras-te, Mamã, como eu ficava contente quando o Índico me ofertava um búzio tigrado grande? Como eu pulava de alegria, e tu, só de veres a minha satisfação, rias "a bandeiras despregadas"?

Foi há 37 anos, Mamã. Não mais voltámos à Praia de Relanzapo e sei que nunca mais lá voltaremos juntas. (Tu dizes-me, tantas vezes, que já não tens saúde para  viagens...) Não chores, Mamã, porque, de cada vez que eu me sentar aqui no sofá, a olhar para o búzio tigrado,  tu caminharás comigo de mão dada, na Praia de Relanzapo, e o Índico ofertar-me-á grandes búzios tigrados ... E, quando um dia voltar a Moçambique, acorrerei à  Praia de Relanzapo, onde tu caminharás sempre comigo, de mão dada, à beira do nosso Índico.

                                                                


                                                         Texto e foto da Isabel Maria.

45 comentários:

  1. Olá Isabel Maria - Uma carta singela, mas maravilhosa, onde o amor filial é bem expresso. É nestes momentos, que sentimos que os afectos nos aquecem!
    Abraço e uma excelente semana

    ResponderEliminar
  2. Quanta ternura nas suas lembranças...

    Beijos, querida e ótima semana.

    ResponderEliminar
  3. Olá, Isabel

    Belo texto, recordações que enchem a alma.

    Beijinhos

    Olinda

    ResponderEliminar
  4. Assim é, a relembrança é um perfeito filme, o pensamento tem esse poder de nos trazer de volta
    o que queremos, basta selecionar e "assistir", com a devida e natural emoção.
    Este búzio, é uma das suas relíquias, Isabel...
    muito lindo, assim tigrado, nunca tinha visto.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  5. Olá minha querida amiga
    há coisas, materiais ou não
    por vezes, "meros" objectos
    que nos trazem recordações valiosas!!!
    Eles próprios (esses objectos) podem não ter qualquer valor
    daquele valor, mensurável!
    Mas, estes objectos têm algo que nos transcende...
    normalmente, têm gente dentro...
    É o caso deste búzio tigrado que tem dentro,
    não apenas o barulho do mar Índico
    mas as risadas, os passos e as conversas
    de mãe e filha que o tempo gravou num simples búzio de mar...São estes momentos que sempre queremos gravar, sejam na memória ou num búzio tigrado!
    E esses momentos se perpetuarão pelo tempo fora!
    Um abraço enorme!
    Um texto que deixa uma marca de saudade... daquela boa!

    ResponderEliminar
  6. Falando de memórias e das coisas boas que certos objectos singelos podem despertar em nós!

    Não duvido que continue a fazer os passeios com sua mãe na Praia de Relanzapo, sempre que o crepúsculo se adentra! Hora propícia para 'memórias' percorrerem os nossos pensamentos.

    Uma tranquila semana, Isabel!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  7. Hoje venho avisar que você
    é uma das homenageadas no meu blog.Um feliz semana
    beijos carinhosos,Evanir.

    ResponderEliminar
  8. Olá, Álvaro!
    Muito obrigada. Foi uma carta escrita com o coração.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  9. Olá, Parole!
    Foi um texto muito sentido e escrito com tanta saudade de tempos que já não voltam!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  10. Olá, Olinda!
    São recordações que nos aconchegam o coração e afagam a alma.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  11. Querida Lúcia:
    Este búzio representa para mim Moçambique, país que me é caro, apesar de só lá ter estado 9 meses.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  12. Querida Célia:
    Como me compreende bem! Gostei muito dessa sua ideia de haver objectos que têm gente dentro. É exactamente assim. Neste búzio estou eu e está a minha Mãe.
    Um abraço com todas as constelações do firmamento.

    ResponderEliminar
  13. Mi querida Isabel María: Los recuerdos de nuestra niñez siempre son preciosos sobre todo si van acompañados de la figura de nuestros padres.

    Me imagino cuando tu madre te dio la caracola. Puede que no volvais a Mozambique pero allí está el recuerdo de una madre y una niña que fueron felices en sus playas.

    Precioso escrito, amiga mía.

    Brisas e beijos.

    Malena

    ResponderEliminar
  14. Querida Fragmentos Culturais:
    Muito obrigada pelos seus comentários que me transmitem sempre serenidade. A mesma sensação que me transmitiu a autora dos comentários quando há uns tempos a ouvi falar, e depois conversámos, ainda que por breves instantes. (Na mesma ocasião em que me incentivou a ter um blog.)
    Um abraço muito grande.

    ResponderEliminar
  15. Mi Querida Malena:
    Fico sempre muito feliz com a sua chegada ao meu blog, minha Amiga. E gosto sempre muito dos seus comentários. Compreende-me tão bem!
    Um abraço do tamanho do mundo, de Portugal para Espanha.

    ResponderEliminar
  16. Isabel, seu texto me levou até lá. Posso vê-las caminhando pela praia... Ouvir o som dos das ondas, dos risos felizes... Que imagem linda!

    Numa piscada se está lá onde se quer estar. O que foi guardado dentro nunca se perde...

    Meu beijo às duas. Inté!

    ResponderEliminar
  17. Simplesmente maravilhoso...o seu texto remeteu-me para os contos também belos e poéticos de Sophia de Mello...Você é a Menina do mar e a sua mãe a Fada Oriana...onde andará o Rapaz de Bronze, no seu jardim?...e o cavaleiro da Dinamarca?

    Imagino-a uma pessoa feliz!!!

    Deixo-lhe dois beijinhos

    ResponderEliminar
  18. Belo texto, recordações!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  19. Querida Isabel
    Tambem eu tenho búzios desses tigrados, onde o Indico me trazia segredoa de muito longe...Em casa, colocava o búzio no ouvido e ouvia o fragor do mar e as saudades chegavam como a onda doce sobre a praia... Com este conto maravilhoso, trouxeste-me lembranças que estão apenas adormecidas. Não sei se voltarei a ver o Indico mas...quando a saudade apertar( e aperta tanta vez...) colocarei o búzio em posição e já não saberei se é a água do Indico ou a água dos meus olhos!!
    Obrigada por este momento Isabel!
    Gostaria de vir aqui mais vezes mas, como não estás inscrita, tenho de ir aos blogs muito atrás á procura dos teus comentários, para entrar na tua casa!
    A propósito o Zambeziana tem um concurso e gostaria muito que tu participasses...Dá um pulinho á palhota...
    Beijocas
    Graça

    ResponderEliminar
  20. Fiquei presa na leitura deste texto, e á minha memória vieram história de menina, deu-me uma saudade!!! ADOREI!
    Bjs

    ResponderEliminar
  21. Querida Ju:
    Que maravilha a Ju estar lá connosco, na Praia de Relanzapo. Fico feliz.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  22. Isa Maria

    As memórias e saudades, são a força que nos rejuvenescem.
    Quem nos criou na meninice, pode não ser saudável para fisicamente viajar, mas sempre podemos transportar, no espaço, todas as vivências aos lugares e no tempo.

    Grato por viajares até cá.

    Beijo
    SOL da Esteva
    http://acordarsonhando.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  23. Querida Isabel
    Comoveu-me tanto a tua "conversa" com a tua Mamã!...
    Concordo inteiramente com a Célia quando diz que há objetos com gente lá dentro.
    Tenho um móvel (a que se costuma chamar cristaleira...) cheio de objetos com mil recordações cheias de gente - este prato era da Mamã, estes candeeiros eram da Mãezinha (minha sogra) este copo era o que o Papá mais gostava de usar... é um sem fim de memórias boas.

    Do Índico também tenho recordações maravilhosas, (e fotos) mas diferentes...

    Fizeste uma postagem linda!

    Uma boa semana. Um abraço do tamanho do mundo, e beijinhos

    ResponderEliminar
  24. Querida Pedras Nuas:
    Que ternura essa comparação com a Menina do Mar! E a minha Mãe há-de gostar de saber que foi comparada à Fada Oriana, que dançava nos campos, alegre e feliz e que era muito boa e muito bonita! O Rapaz de Bronze, o dono do jardim durante a noite, pode ser qualquer um dos meus filhos, desde que o jardim cheio de gladíolos e outras flores, seja meu, e o Cavaleiro da Dinamarca, que é guiado no regresso a casa por uma luz, será o meu marido.
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  25. Querida Graça:
    Ainda bem que partilhas as minhas emoções de Moçambique.
    Tentarei escrever algo para o concurso.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  26. Olá, Sol da Esteva!
    Obrigada pela visita.
    As nossas memórias são um património humano com um valor incomensurável.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  27. Querida Mariazita:

    Como tu sempre me entendes tão bem!
    Esse teu cantinho é património da tua Humanidade e nada nem ninguém poderá jamais despossar-te dele, porque ele vive e viverá sempre na tua lembrança.

    Um abraço do tamanho do teu Índico, do nosso Índico.

    ResponderEliminar
  28. Obrigada pela visita, e gentil comentário.
    Beijinhos, e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  29. Isabel ,
    um belo texto , que me deixou com os olhos enevoados de emoção .
    Também tenho um búzio tigrado ...

    Um beijo ,
    Maria

    ResponderEliminar
  30. Texto comovente, amiga.
    As lembrancas, ao olhar algo que marcou aquele dado momento, sao sempre de comocao. Eu nao jogo nada, porque belos momentos podem ser revividos. Achei lindo esse búzio!

    Meu novo endereco:
    http://sou-da-cris.nets.at/

    ResponderEliminar
  31. Voltei apenas deixar um beijo de bom fim de semana a você e a sua mamã.

    ResponderEliminar
  32. Querida Isabel,

    Aqui estou! Vim ler a sua resposta ao meu comentário, tal como me solicitou delicadamente!

    Por vezes, não tenho tempo, outras... a disponibilidade para me expressar! Sei que me compreende.

    Suponho que a autora dos comentários que teve à sua frente 'pressentiu' em si uma natural sensibilidade para a escrita. Quem sabe?!
    A prova é este blogue! Pensamentos intimistas, vivências de grande intensidade, um traço de fino gosto litérário.

    Hoje faz um pouco de sol, por aqui. A semana foi desconfortável, um tempo que não aconchega a alma.

    Faço votos que passe um agradável fim-de-semana!

    Sensibilizada pela sua constante presença em 'fragmentos'!

    Um beijo

    ResponderEliminar
  33. Querida Ana:
    As visitas não se agradecem quando são feitas com gosto. Agradou-me muito estar em tua casa.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  34. Querida Lilazdavioleta:
    Imagino como esse búzio tigrado é importante para si.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  35. Querida Parole:
    MUITO OBRIGADA E UM EXCELENTE FIM-DE-SEMANA.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  36. Querida Fragmentos Culturais:
    Sempre muitop obrigada por tudo. Sobretudo pela companhia constante.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  37. querida amiga
    Tive saudades e num intervalo do trabalho pensei vir fazer uma visita...permite-me conhecer um pouco melhor a pessoa que é, lendo o que diz. Cada comentário tem um pedacinho de si...:)
    Tome a enormidade de um abraço
    Até amanhã:)

    ResponderEliminar
  38. Oi Isabel!
    Ao ler a sua carta e ao olhar ao mesmo tempo para o busio, senti que a Isabel ao escrever estava a sorrir, foi assim que vi, foi assim que a figurei sentada no seu sofá.
    É assim que falo das minhas lembranças, até dos gatos que à noite naquela grande cosinha, se encostavam quaze ao grande fogão de lenha.
    É bom ter essas lembranças como a Isabel tem, faz-nos bem à alma, e é tão bom contar aos outros, o que temos guardado!
    Até breve
    Herminia

    ResponderEliminar
  39. Querida Célia:
    Apareça sempre! Nunca deixará de ser bem-vinda.
    Um abraço do tamanho da Terra.

    ResponderEliminar
  40. Olá, querida Hermínia!
    Como adivinhou? Estava a sorrir mesmo!
    Imagino os gatinhos da sua lembrança, que lhe acariciam a alma e aconchegam o coração.
    Um abraço muito apertado.

    ResponderEliminar
  41. Já estou a 6 meses na minha Viagem.
    Só tenho a agradecer o carinho recebido
    e não foi pouco não.
    Espero em Deus permanecer
    viajando muito tempo dando
    e recebendo carinho e amor.
    Obrigada a você por viajar junto comigo.
    Um feliz Domingo deixando para você
    carinho e beijos meus,Evanir.

    ResponderEliminar