domingo, 28 de agosto de 2011

ASPIRAÇÃO




 
Quisera eu ser aquela estátua fria

Abandonada, só, mas que não sente,                  

Ou ser a branda aragem deste dia,

Ou um pedaço de oiro refulgente.



Quisera eu ser, até, a ventania

Condenada a gemer mas inconsciente.

Ou ser a dominante melodia

Das cordas de um violino...eternamente!



Quisera eu ser aquela asa de pomba,

prateada lua quando a noite tomba,

´Scaldante sol em tarde de Verão.



Ou viver, sem saber que estou vivendo,

Deixar que a vida vá assim correndo,

E não sentir que tenho um coração.



Maria Helena Cabral, in "Mulheres em Prosa e Verso",  vol. 4, 1ª edição - HOJE EDIÇÕES - Casca - RS - Brasil, pag. 63.

24 comentários:

  1. Boa noite Isabel,
    Li e reli este magnifico soneto, grata pela partilha!

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  2. Que maravilha! não conhecia.
    Boa semana
    beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Minha Querida Amiga Isabel
    Que lindo, este poema escrito pela sua mãe!!! Esplêndido e Sinto-o como se tivesse eu, esta aspiração.
    Gostei especialmente destes versos:
    "Ou viver, sem saber que estou vivendo,
    Deixar que a vida vá assim correndo,
    E não sentir que tenho um coração."

    Tocu-me fundo este estado de alma!
    Um abraço do tamanho do talento da sua mãe

    ResponderEliminar
  4. Querida Isabel

    Boa noite

    Mais um lindo poema da sua Mãe, cheio de sensibilidade,em que põe a tónica nas exigências do coração que nem sempre é o 'conselheiro' que desejaríamos. E isto vê-se, sintetizado, no último verso.

    A imagem, agreste e bela, acompanha
    esse sentimento.

    Posso dizer que quero mais?... :)

    Beijo

    Olinda

    ResponderEliminar
  5. Olá Isabel Maria: de todos os poemas da sua mãe (aqui colocados), este soneto leva a palma:)!
    Belíssimo
    Um abraço

    ResponderEliminar
  6. Isabel ,

    mais um belo poema .
    Obrigada pela partilha e parabéns à poeta .

    Um abraço ,
    Maria

    ResponderEliminar
  7. Helena, quisera eu ser assim como todos os poemas levasse que pudesse tocar quem os lessem.
    Excelente seu blog

    Bj

    ResponderEliminar
  8. Minha querida Isabel Mª: Es una preciosa sorpresa volver de mis vacaciones y encontrar este bello poema de tu madre.Muestra un alma llena de sueños y sensibilidad y te hace volar por mundos llenos de belleza.Felicidades a las dos, a tu madre por esa inspiración y a ti por ser su hija, aunque ahora ya sé de donde te viene esa forma de escribir tan especial que tienes.

    Brisas e beijos.

    Malena

    ResponderEliminar
  9. Querida Ana:
    É sempre um prazer partilhar os sonetos da Mãe.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  10. Querida Lilás:
    Também gosto muito do que a Mãe escreve.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  11. Querida CF:
    Ao mimar a minha Mãe está a fagar a minha alma e a aconchegar o meu coração.
    Sempre muito obrigada.
    Um abraço do tamanho da minha gratidão pelas suas palavras de apreço relativamente ao soneto da Mãe.

    ResponderEliminar
  12. Querida Olinda:
    Muito obrigada por ter "reconhecido" a Mãe. Fico muito feliz e agradeço muito o seu mimo.
    Um grande, grande, grande abraço para si, minha Amiga.

    ResponderEliminar
  13. Olá, Álvaro!
    Também lhe estou imensamente grata pelas suas palavras relativamente ao soneto da Mãe. Bem haja.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  14. Olá, Lilazdavioleta!
    Muito obrigada pelas felicitações que transmitirei à Mãe.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  15. Olá, J. Araújo!
    O soneto é da Mãe. Agradeço as suas palavras de preço.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  16. Mi Querida Malena:
    Sempre tão querida comigo e com a Mãe! Agradeço as tuas palavras e fico imensamente feliz por estares de volta.
    Um abraço muito grande para ti, minha Boa Amiga Espanhola.

    ResponderEliminar
  17. Já li outros poemas de Maria Helena, aqui.
    Todos lindos, este é um primor,de tão belo...
    Obrigada, pela partilha, Isabel.
    Beijos

    ResponderEliminar
  18. Ou viver, sem saber que estou vivendo,

    Deixar que a vida vá assim correndo,

    E não sentir que tenho um coração.
    ´´´´´´´
    È nesse estagio que estou deixando a vida passando
    e viver por viver apenas.
    E não quero sentir mais dor no coração.
    Um dia lindo e feliz beijos,Evair.

    ResponderEliminar
  19. Querida amiga
    Hoje eu vim pensando um pouquinho em meu sonho
    por favor clique no Link

    http://www.mariaalicecerqueira.com/2011/08/prezado-amigo-leitor-e-seguidor-me.html

    Muito obriga de coração

    abraço amigo
    atenciosamente
    Maria Alice

    ResponderEliminar
  20. Queira abrir sentidos para abstrata audição do aplauso que daqui remeto com toda sonoridade ao seu dizer, ao seu poetar.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
  21. Olá Isabel
    Voltei procurando nova postagens e li novamente o poema, só agora percebi que era da sua mãe! que maravilha, da outra vez gostei, agora adorei!
    Bjs

    ResponderEliminar